Antes de mais nada gostaria de descrever aqui que um dos motivos de colocar este artigo em meu site é por não ter encontrado todos os detalhes ou compartivos contendo tudo o que procurava.

Apesar do nosso amigo Google ajudar na pesquisa em forums, listas de discussão e em sites especializados, não encontrei todos os detalhes para configuração do hardware do meu note, então, nada melhor do que compartilhar o resultado de forma centralizada em um artigo mais completo, não é mesmo ??? (:-D)

Primeiros passos – O hadware utilizado

Antes de mais nada gostaria de deixar claro aqui que todas as informações contidas aqui são resultados de testes práticos no meu notebook (configuração descrita abaixo), e tentei seguir a forma mais simples de instalação em ambas as distros: Mandriva e Ubuntu.

Marca: ACER

Modelo: 5520-5902

Processador: AMD Turion 64 x2 TL-58

Memória: 2GB RAM

HD: Hitachi 160GB

Ethernet: nVidia NForce

Wireless: Atheros AR5006EG 802.11 b/g

DVD-RW: Pioneer DVR-K17RS

Video: GeForce 7000M

As distribuições escolhidas

Ambas as distribuições são Live CD e utilizam Gnome por padrão, facilitando assim o comparativo!

* Mandriva 2008.0 One (Gnome)
* Ubuntu 7.10

Resultados

Mandriva

* Hardware funcional: Som, Ethernet, nVidia GeForce, Botões de Função

Ubuntu

* Hardware funcional: Som, Ethernet, Wireless, nVidia GeForce, Compiz, Controle de volume na lateral, Botões especiais (Wireless) e botões de Função

Mandriva 2008.0 – Primeiras Impressões

Depois de algumas pesquisas rápidas em forums de discussão e em sites especializados, como o BrLinux decidi testar em primeiro lugar o Mandriva 2008.0 One.

Esta versão trata-se de um Live CD que permite a instalação a partir de um ícone no desktop do Linux já inicializado e pré-configurado durante o processo de inicialização, e alguns pequenos ajustes via assistente que é automaticamente carregado durante o boot do CD.

Confesso que fiquei muito impressionado! A qualidade e beleza do instalador são impressionantes, e a minha primeira reação foi: WOW! Que massa!

Posso dizer que de todo o hardware descrito acima, apenas dois (2) itens não foram automaticamente configurados e inicializados, apesar de terem side detectados pelo instalador. Estes itens sem surpresa alguma foram a placa Wireless Atheros AR5006EG e o vídeo nVidia GeForce 7000M, mas apesar disso, a resolução inicial foi de 1024×768 em 60Hz em 16 Bits, sendo uma resolução ótima para uma detecção automática!

Fiz o particionamento manual, claro! Não queria perder o meu Windows Vista! :-D

Após a instalação, vieram as surpresas, algumas boas e algumas ruins:

Surpresa! Opa… não funcionou…

Para minha surpresa o sistema não bootou logo de primeira, e tive de alterar o grub para inicializar, mas…. funcionou! O sistema iniciou e já foi direto para o usuário criado durante o processo de instalação.

O parametro alterado no grub foi a simples remoção da cláusula “vga=…”, fazendo o sistema inicializar em modo texto. O sistema inicializou rapidamente, e pensei: “Bem… então é isso… nada de framebuffer para mim :-/”.

Depois descobri que não era nada disso, mas explicarei este problema mais abaixo!

Infelizmente a interface Wireless Atheros não funcionou, nem com o ndiswrapper-1.9 nem com o madwifi-0.9.3.3.

O problema da nVidia GeForce foi fácil, segui os passos de configuração do “Centro de Controle” e configurei o driver proprietário “nvidia”, e tudo ocorreu bem a partir dai… (ou quase tudo…)

Um problema, que pode-se chamar de efeito colateral, é que quando utilizando o driver proprietário “nvidia” o recurso de hibernação e suspender não funciona mais! Estranho? Sim! Também acho! Mas basta configurar o driver “vesa” no “xorg.conf” e o hibernar/suspender volta a funcionar.

Infelizmente não consegui nem por reza fazer o Wireless funcionar no Mandriva 2008, diferente do Ubutun 7.10 mas deixo para falar sobre isto mais a seguir.

Outro problema que encontrei foi a inicialização, sim, via grub, lilo, o que quer que utilize. Por algum motivo, talvez kernel ou o próprio hardware da Acer, o sistema inicializa apenas se você esperar pelo menos 10 (dez) segundos ou mais no grub, antes de selecionar o Mandriva para boot. Isso mesmo!!!!! Por mais bizarro que possa parecer, fiz o teste várias e várias vezes, e sempre inicializou esperando entre 10 e 15 segundos, e NUNCA inicializou quando selecionado o boot “Mandriva 2008″ no Grub logo de cara.

Grotesco??? Sim! Muito, mas infelizmente comprovei isso. Inclusive encontrei em alguns forums a seguite frase: “Um delay no processo de inicialização pode ajudar…”

E não é que ajudou mesmo! :-/

OBS: Este problema ocorre também no Ubuntu 7.10, o que me leva a acreditar que este é um problema do Kernel ou mesmo do hardware. Como o disco eh SATA acredito que seja um problema do driver da controladora. No Ubuntu observei alguns “resets” durante o processo de detectação dos discos pelo Kernel.

Devido aos problemas de hibernate e de boot, decidi testar o Ubuntu 7.10 também, então não cheguei a instalar o pacote do Compiz para ver como se comportava. Confira os detalhes do Ubuntu para uma grata surpresa!

Surpresa!!! (agora as boas)

Agora as surpesas boas, claro! Tudo (ou quase) estava funcionando, e tirando a Wireless Atheros e aceleradora nVidia, consegui usar o sistema sem problemas, com acesso a Internet e tudo o mais. O Mandriva 2008.0 fez a detectação e a configurãção de rede via DHCP e já pediu para carregar os repositorios de atualizações e pacotes oficiais.

O hardare básico foi dectectado e/ou configurado durante a inicialização do Live CD, como teclado, mouse USB e touchpad, placa de som onboard (que alias possui microfone embutido e entrada externa, além de saida externa SPDIF).

Um detalhe sobre o Som é que pode-se escolher e controlar o som e dispositivos como microfone embutido e externo separadamente. O driver alsa foi configurado automaticamente e permitiu o controle total do som e entradas externas.

Como teste de som, instalei o Skype (versão Mandriva) disponível em http://www.skype.com e bastou abrir o Mixer e escolher o dispositivo de “input” Front Mic.

Usando o Gnome 2.20, OpenOffice 2.2.3 (pensei que seria o 2.3, mas tudo bem), Firefox 2.x, Evolution e mais uma gama de outros softwares já instalados por padrão, minha primeira experiência foi muito boa.

Apesar de alguns detalhes não funcionarem, conforme descrito no tópico acima, achei a distro muito boa, principalmente para instalar no meu Desktop, pensei.

O sistema é rápido, porém encontrei alguns problemas com travamentos de alguns recursos do Gnome, como exemplo posso listar os applets de controle de volume, controle de bateria e rede, que simplesmente apresentaram erro na inicialização logo após de utilizar “Ctrl+Alt+Backspace” para fechar o X-Window. Como este parágrafo é de comentários positivos, não posso deixar de elogiar e muito o “Centro de Controle”. Simplesmente demais!

O “Centro de Controle” é parte do que falta em algumas distribuições, e posso citar o Ubuntu como uma delas. Apesar de haverem outras ferramentas que fazem a mesma tarefa, o “Centro de Controle” do Mandriva faz por merecer! Ele centraliza todos os recursos de configuração de hardware e sistema, facilitando e muito principalmente aos usuários iniciantes.

Um outro detalhe importante sobre o Mandriva 2008.0 é que todos os processos de “passo-a-passo”, “Centro de Controle” e telas de configuração desenvolvidas pela Mandriva são muito bem explicados, possuem “ajuda” fácil de entender, e são praticamente “anti-falhas” para o usuário. Só se comete um erro utilizando uma dessas ferramentas se realmente clicar em “sim” ao invéz de “não” e coisas do tipo.

A configuração da aceleradora de vídeo nVidia GeForce foi feita através do Centro de Controle, escolhendo o Driver “VENDOR”, modelo: Geforce 8660. A distro automaticamente baixou os pacotes necessários e configurou o X.Org, e consegui utilizar a resolução máxima sem problemas (1280×800). Vale lembrar que após a configuração foi necessário reiniciar o X, e o logo da nVidia é mostrado antes da tela de login do GDM.

Outra impressão muito boa foi o aplicativo de instalação e atualização de pacotes. Caso não tenha configurado os repositórios ao término da instalação, o sistema pergunta ao usuário se deseja carregar os repositórios de “fontes da distribuição” ou “atualizações”. Recomendo neste ponto que se configure o “fontes da distribuição” para facilitar o processo de instalação de hardware e aplicativos, e logo depois de instalados os recursos básicos, faça o update incluindo os repositórios de atualizações através do “Centro de Controle”.

Ubuntu 7.10 – Primeiras impressões

Após correr atrás do CD de instalação do Ubuntu 7.10 por 3 dias, cancelar o download por duas vezes, finalmente consegui o disco de instalação.

Seguindo o básico e óbvio, iniciei o notebook, forcei a escolha do menu de boot da BIOS (através do F12 do teclado), inseri o CD no drive e teclei enter em CD/DVD no menu de boot da BIOS.

Voila! Menu de instalação do Ubuntu.

Aqui basta escolher a primeira opção e inicializar o Ubuntu 7.10. Lembre-se que o Ubuntu 7.10 é um Live CD instalável e não um instalador carregado através do boot, e neste processo ambas as distros são identicas.

Seguindo o esperado, o hardware básico foi detectado e/ou configurado seguindo o assistente de detectação e configuração carregado durante a inicialização. Teclado, Mouse/touchpad funcionando, o próximo foi o vídeo e surpresa! Não conseguiu carregar resolução de 1024×768 com o driver “vesa”! Porém o Ubuntu abre uma caixa de diálogo dentro do X.org para configuração manual dos drivers e também da resolução, o que permitiu a configuração rápida da resolução adequada, ou quase isso….

Surpresa! Opa… não funcionou…

É… as rosas tem espinhos meus amigos, e assim como o Mandriva e as rosas o Ubuntu tem os seus espinhos também! Vamos as “podas”.

Seguindo o já esperado a aceleradora nVidia e a interface Wireless não funcionaram, porém tive mais uma “não grata surpresa” ao ver, ou melhor, não ouvir o som! É… o som não estava funcionando também!

Uma rápida pesquisa no Google deu a resposta:

* Problema com som no Ubuntu 7.10: Instale o pacote linux-backports-modules-2.6.22-14-generic.

Após instalar este pacote será necessário o reboot para recarga dos módulos na ordem certa, mas espere! Vamos configurar o vídeo também e já fazer tudo de uma vez. Pelo menos foi o que eu pensei… e… funcionou!

Felizmente o Ubuntu 7.10 possui um repositório “nonfree” que é configurável através do menu: “Sistema -> Administração -> Canais de Software”. Aqui foi fácil, basta selecionar todos os repositórios logo de uma vez! :-D

Não esqueça de selecionar os repositórios “restricted” para ter suporte a drivers proprietários!

Outra surpesa “não grata” foi notar que a exemplo do Mandriva, o Ubuntu apresentou o mesmo problema durante o boot. Igualzinho!
Solução: Configure o grub para inicializar automaticamente em 10 (dez) segundos e deixe o boot iniciar sozinho, não encoste no teclado quando a tela do grub aparecer! Pra mim funcionou 90% dos casos, só não funcionou quando o sistema é reinicializado com Ctrl+Alt+Del no console.

Tosco? Também acho! Mas pelo menos funcionou e não tive mais de me preocupar! Posso fazer a rotina de deixar o boot iniciando e ir pegar um refrigerente, um café ou até mesmo uma agua… (brincadeira).

Assim como no Mandriva o Hibernar e Suspender também não funciona enquanto o driver proprietário da nVidia estiver sendo utilizado. Se desejar utilizar o Hibernar/Suspender e o Compiz não faça diferença para você, utilize o driver “vesa” pelo menos por enquanto e o Hibernar/Suspender funcionará normalmente!

Surpresa!!! (agora as boas)

Apesar dos problemas, que foram quase iguais aos do Mandriva, algumas surpresas foram execelentes!

Após configurar o som, instalando o pacote descrito acima não só os controles de volume no mixer ficam funcionais, como também o controle de volume na lateral do notebook, tendo funcionamento idêntico ao Windows, coisa que não aconteceu no Mandriva.

Logo de cara posso citar que quando configurado o driver da Nvidia, através do Menu: “Sistema -> Administração -> Gerenciador de Drivers Restritos”. Aqui basta “habilitar” a nVidia, que o sistema automaticamente baixa os pacotes necessários (nvidia-glx-new e utils…) e permitirá a configuração do vídeo adequadamente! Lembre-se que você poderá utilizar a resolução de 1280×800, para isto basta selecionar o Painel Flat LCD 1280×1024 e altere a resolução para “1280×800″.

Caso não consiga encontrar esta oção, clique em “Sistema -> Administração -> Screens and Graphics” e configure a resolução utilizando este assistente!

Após a configuração basta reiniciar o X.org efetuando o logoff e em seguida o login com o seu usuário!

Agora a surpresa melhor! Assim que a sua nVidia estiver configura o Compiz entrará automaticamente em ação! Sim! Isso mesmo! Não é preciso instalar nem configurar nada!

Se desejar, poderá configurar os detalhes do Compiz clicando em “Sistema -> Preferências -> Aparência” e selecionar a aba “Efeitos Visuais”. Para o máximo de detalhes do Compiz basta selecionar a opção Extra. Lembrando que fazendo isto não é necessário reiniciar o X.org novamente, o Compiz entre em atividade com as novas configurações automaticamente!

Se chegou até aqui, agora falta pouco, e foi o que eu pensei também quando cheguei nesta fase. O que falta então ??? ISSO MESMO! A Wireless!

Por experiência com o Mandriva não adiantou compilar o madwifi-0.9.3.3, então já foi logo instalando o ndiswrapper.

Aqui recomendo que utilize o seguinte comando:

$ sudo su
# apt-get install ndiswrapper-common ndiswrapper-utils-1.9 ndisgtk

O aplicativo ndisgtk após instalado adiciona ao menu “Sistema -> Administração” o menu “Windows Wireless Drivers”. Acesse este menu e Instale o driver de controladora Windows XP 32bits. Se não possuir o driver, basta fazer o download nesta página: http://www.atheros.cz/download.php?atheros=AR5006EG&system=1.

Agora um detalhe importante! Será necessário fazer com que a inicializão do Ubuntu não carregue os módulos do madwifi, para isto inclua as seguintes linhas nos arquivos abaixo:

/etc/modprobe.d/blacklist

blacklist bcm43xx
blacklist ath_pci
blacklist ath_hal

/etc/modules

ndiswrapper

Agora basta reiniciar o sistema e configurar a sua interface wireless!!! Sim! ela funcionará agora!

OBS: Vale lembrar que este procedimento “pode” funcionar para o Mandriva 2008.0. Lembre-se que o arquivo /etc/modules é substituído pelo arquivo /etc/modprobe.conf

Considerações Finais

Em meus artigos tento sempre ser o mais imparticial possível, levando em conta os p?os e contras de cada distribuição. Então abaixo avalio, no meu ponto de vista, quais os pontos fortes e fracos, o que poderia ser melhor ou está perfeito e o que faltou em cada uma das distros:

Mandriva 2008.0: Ótima versão. Me surpreendeu realmente!

* Prós:
** O processo de inicialização do Live CD é bonito, rápido e permite a configuração dos dispositivos básicos. Não encontrei problema algum e funcionou de primeira!
** Detectou e ativou 90% do hardware, com excessão da Wireless Atheros e da nVidia por requisitarem drivers proprietários.
** O “Centro de Controle” é simplesmente excelente! Possui todos os recursos de configuração em um só lugar, o que facilita tanto a usuários iniciantes quanto experientes.
** O controle de energia foi muito bem elaborado e alterado! Simples de utilizar e configurar, aumenta a durabilidade da bateria em comparação às versões anteriores!
* Contras:
** Poderia configurar o Compiz automaticamente após configurar a nVidia, a exemplo do Ubuntu. Não que seja um processo difícil, mas quanto mais fácil, prático e automatizado melhor para o usuário!
** O kernel padrão instalado não suporte memória acima de 1GB
* Pode melhorar:
** Atualização de pacote de Kernel apesar de simples não é sintetizada, gerando barra de rolagem na seleção das versões. Nomes de pacotes simplificados ajudariam e muito principalmente a usuários iniciantes a escolher a versão mais recente e corrigida, o que resulta em melhor suporte a hardware, detecção de memória acima de 1GB entre outros.

Ubuntu 7.10: Rápido, fácil de usar e instalar.

* Prós:
** O Live CD possui inicialização simples e rápida. Poucas opções durante o processo de configuração simplicam o uso e reduzem a chance de erros por parte do usuário iniciante.
** Recursos como suporte a driver proprietários são de fácil configuração e acesso
** Após configurar a aceleradora de vídeo o Compiz foi ativo sem quaiquer configurações adicionais
** Utilização do apt-get facilita a utilização tanto de usuários iniciantes quanto experientes
* Contras:
** Travou algumas vezes durante a inicialização do Live CD e configuração do vídeo após mensagem de erro e configuração de driver “vesa” em 640×480. Foi necessário matar o “gdm” manualmente na console, e iniciá-lo novamente para continuidade do carregamento do Live CD e acesso ao “Icone de Instalação” no Desktop do Gnome.
* Pode melhorar:
** O Live CD não detectou o vídeo em resolução superior a 640×480 para placa nVidia, o que pode atrapalhar um pouco o processo de instalação.
** A instalação do Flash feita através do próprio firefox apresenta erro de checagem da chave MD5 do pacote, e acabei fazendo a instalação manualmente.

Conclusão

Acabei utilizando o Ubuntu 7.10 no meu note devido aos recursos automatizados pós instalação como instalação de pacotes, compatibilidade com os pacotes versão 7.04 e pela maioria (nem todos) os atalhos do teclado (barra superior ao teclado com atalhos para wireless, bluetooth, email, web…) funcionarem no Ubuntu sem configuração adicional alguma. Alguns atalhos como o de email e web eu nao configurei e não utilizo, o que não me fez grande diferença e acabei por não dar importância, pelo menos por enquanto, e por se tratar de botões que ficam disponíveis apenas após instalar software proprietário Acer mesmo até mesmo no windows, o botão de Wireless já foi de grande importância!

Outro recurso que julgo de grande importância é o controle de som externo (aquela rodinha na lateral do notebook), que funcionou logo de cara no Ubuntu 7.10, sem configuração alguma.

O Compiz também ficou muito legal, mesmo configurando os efeitos como Extra a velocidade ficou incrível! Não se sente diferença alguma de performance para falar a verdade.

A instalação de pacotes em ambas as distribuições ficou excelente! Apesar de preferir o apt-get ao urpmi não encontrei dificuldades e o software de gerenciamento de pacotes acessível pelo navegador web ou de arquivos é perfeito em ambas as distros. O que o Ubuntu leva vantagem é a possibilidade de utilização de pacotes da versão anterior (Feisty Fawn 7.04), o manteve a instalação automática para pacotes como Skype, driver de impressora Canon iP1800, entre outros pacotes.

Um detalhe muito importante, e que merece crédito por parte da Mandriva, e que na minha opinião ainda falta no Ubuntu, é o “Centro de Controle”, que auxilia e muito a configuração de forma centralizada. Facilitar a vida dos usuários, tanto experientes quanto iniciantes é algo importante no GNU/Linux e as distribuições estão trabalhando cada dia mais para arperfeiçoar instalação, configuradores e assistentes. Este ponto vai para o Mandriva!

Agora um fato curioso: Usei o KDE por muitos anos, migrando do Window Maker (sim, ele mesmo) para o KDE. Decidi testar o Gnome pois já havia visto algumas distribuições em notebooks e PCs usando principalmente Debian/Gnome. Decidi testar e me foi uma grata surpresa! Posso dizer que não volto para o KDE tão cedo. Quem sabe com os novos recursos do KDE 4, talvez… Mas levando em conta que levei sempre muito mais em conta a praticidade, facilitade e integração do Desktop, o Gnome é uma ótima escolha tanto para o Ubuntu quanto para o Mandriva, e eu recomendo!

O gravador de CD/DVD que estou utilizando é o K3B (tá bom, tá bom, eu sei que é apenas a interface, mas convenhamos que ele faz tudo, até parece que é ele que grava, formata, cria imagens, etc heheheheh, ou seja faz tudo de forma tão automatizada que parece ser uma coisa só!). Testei o XFBurn, porém, não funcionou com a minha gravadora que é detectada como SCSI.

Ainda preciso testar alguns recursos novos como a pasta de gravação direta para o CD/DVD, disponibilizada pelo Nautilus/Gnome, conexão com PalmOS, e demais recursos, mas posso dizer que não estou nada arrependido, pelo contrário, estou muito satisfeito com a minha escolha!

Espero que este artigo o ajude e não passar por tantas pesquisas e perda de tempo atrás das configurações para o seu notebook Acer, assim como eu passei, e que seu processo de instalação e utilização seja tão divertido quanto simples em ambas as distribuições!

Obrigado por ler este artigo!